Mário Sérgio

Há três anos, a FEBRABAN começou a se debruçar sobre a compreensão das potencialidades da geração da energia solar fotovoltaica no Brasil. Olhando para o mercado, percebeu-se que, a despeito da existência de linhas de crédito com recursos de fundos constitucionais, o volume de crédito direcionado para os projetos era muito baixo. E isso porque o mercado e as empresas do segmento eram muito jovens, com balanços enxutos, então não havia compatibilidade entre o que se desejava financiar e o que os bancos efetivamente estão financiando. Por isso a importância de avaliar o tema com profundidade e desenhar novos modelos.

Assim, chegou-se ao resultado apresentando nesta edição 55 do Café com Sustentabilidade FEBRABAN. Com apoio na qualificação técnica dos projetos, os bancos foram a campo entender o mercado, o que foi traduzido no modelo desenhado pelo estudo do FGVces. A ferramenta é factível: o apetite de risco e conhecimento de cada instituição financeira vai fazer desse modelo o seu próprio, ajustando-o às suas estratégias, ao seu foco de mercado. Os bancos estão se preparando e estruturando núcleos para analisar projetos que exigem um cuidado diferente: não é simples como financiar um veículo nem tem é um project finance de alto custo – por isso o apoio de parceiros como BID, ABSOLAR e ABNT foi tão importante neste trabalho.

Para Mário Sérgio Vasconcelos, que encerrou o evento, o que está sendo feito hoje com a energia solar fotovoltaica será revolucionário. O objetivo final é fomentar as atividades da economia verde e de baixa emissão de carbono, o que se traduz em uma jornada de erros e acertos. "Se fosse fácil, todos os empresários já teriam mudado sua produção, tornando-a mais eficiente, e os bancos teriam 100% da carteira de projetos com foco em energia renovável e atividades de baixo carbono", diz Vasconcelos. A mudança para um novo paradigma econômico esbarra na regulação, no Congresso, na insanidade fiscal do Brasil. Mas cabe a todos continuar buscando soluções.

O estudo completo está disponível no portal.febraban.org.br